Coronavírus: Paulo Guedes anuncia R$ 147 bilhões em medidas emergenciais

Tempo de leitura: 2 minutos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou, no final da tarde desta segunda-feira, 16, um conjunto de medidas para amenizar os impactos econômicos causados pela disseminação do novo coronavírus, avaliada em 147 bilhões de reais. 

Saiba mais sobre o assunto abaixo:

Em uma coletiva de imprensa, Guedes apresentou um conjunto de slides que disserta sobre as iniciativas. De acordo com o ministro, o Governo Federal disponibilizará 83,4 bilhões de reais para a população mais vulnerável — como idosos, afetados de forma mais latente pela doença —, e 59,4 bilhões de reais para a manutenção de empregos.
O ministro anunciou a antecipação da segunda parcela do décimo terceiro salário para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social, o INSS, para maio, num incentivo para a economia de 23 bilhões de reais. Os valores não sacados do fundo PIS/Pasep serão transferidos para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o FGTS. Com a medida, o ministro avalia injetar 12,8 bilhões de reais no consumo dos brasileiros. Outra medida anunciada por Guedes é o reforço ao Bolsa Família, com a possibilidade de inclusão de 1 milhão de novos beneficiários, com a qual o governo espera um impacto de 3,1 bilhões de reais.
As medidas anunciadas na tarde desta segunda-feira, 16
Liberação de 83,4 bilhões de reais para população vulnerável:
  • Antecipação da segunda parcela do 13º de aposentados e pensionistas do INSS para Maio (23 bilhões de reais)
  • Valores não sacados do Pis/Pasep serão transferidos para o FGTS para permitir novos saques (até 21,5 bilhões de reais)
  • Antecipação do Abono Salarial para junho (12,8 bilhões de reais)
  • Reforço ao programa Bolsa Família: destinação de recursos para possibilitar a ampliação do número de beneficiários – inclusão de mais de 1 milhão de pessoas (até 3,1 bilhões de reais)
Liberação de 59,4 bilhões de reais para manutenção de empregos:
  • Diferimento do prazo de pagamento do FGTS por 3 meses (30 bilhões de reais)
  • Diferimento da parte da União no Simples Nacional por 3 meses (22,2 bilhões de reais)
  • Mais crédito do PROGER / FAT para Micro e Pequenas empresas (5 bilhões de reais)
  • Redução de 50% nas contribuições do Sistema S por 3 meses (2,2 bilhões de reais)
  • Simplificação das exigências para contratação de crédito e dispensa de documentação (CND) para renegociação de crédito
  • Facilitar o desembaraço de insumos e matérias primas industriais importadas antes do desembarque
Fonte: Veja.com